sábado, 3 de setembro de 2011

Westminster a noite + Burrice + Roupas para lavar


Sábado, fuck yeah. Ah, desculpe pelo vocabulário...
Sem querer, após uma grande aventura na noite passa, acordei ao meio dia. Abri minha gaveta e vi que tinha pouquíssimas roupas limpas. Logo significa que é hora de lavar. E quem disse que eu sei lavar roupas? É...
Após a tormenta, que não foi fácil apertar aqueles três botões dá maquina de lavar, resolvi sair por conta para Westminster de novo. Agora com câmera.
Muita gente lá, mais que o dobro do dia anterior. Meu Deus, e quantos idiomas estranhos! Mas identifiquei que boa parte destes dialetos estranhos é Francês [obrigado, Amelie Poulain]. Aproveitei para ir numa hora em que o sol se põe, assim conseguia pegar dois diferentes ângulos das coisas: De dia e de noite. Não sei se vocês sabem, mas aqui só começa escurecer por volta de 08h30min da noite. Até esta hora, é o maior solzão [isto é, quando tem, afinal Londres é uma cidade cinza e raramente tem sol]. Então resolvi tirar as fotos e ir comer algo, enquanto esperava anoitecer.
Escoceses! Vocês estão por toda a parte. Sabia que amo vocês? *---* Se possível, irei ao país de vocês em duas semanas, ainda estou estudando as possibilidades. Ok, então, er.... Sim, tinha escoceses na ponte de Westminster tocando Gaita de fole e com saias Kilt! Não tem coisa mais bacana que ouvir isso. Até dei uma gorjeta pro rapaz [você não achou que ele não fica ali cantando na ponte de graça né?], que retribuiu acenando com os olhos, afinal, estava tocando Gaita.
Comi meu Lanchinho, olhando para o relógio e sonhando um pouco. Apareceu, pela primeira vez, um luar lindíssimo por aqui [geralmente, tudo muito enevoado, não é possível ver a Lua] surgindo por trás do Palácio do Parlamento. A London Eye se acendeu de azul digníssima e o relógio soou Nove Horas. Era Nove da tarde, como diria meu querido Brendon Urie. Agora só falta estar pronto para partir, e essa foi a parte mais difícil.
Ok, uma vez tomada coragem, entrei no metrô. Mas não queria ir para casa, então resolvi andar em Oxford Street pela noite. Achei que teria coisas diferentes à noite, mas me enganei. Então fui andando, até que um rapaz descolado e super simpática, que me lembrava alguém horrivelmente familiar, que só depois pensei: James Blunt, me entregou um papel. Nem olhei direito o que era e perguntei as horas. Ele me falou que era nove e meia, então parti.
No metrô, indo para casa, afinal estava ficando tarde e eu não tinha certeza de onde ir, resolvi pegar o meu mapa [repetindo, não saia de casa sem seu mapa] para conferir um negocio. Um papel caiu no chão. Era o papel que o James Blunt de mentira tinha me entregado. MEU PAI AMADO!!!! Era um papel de um night club que abria suas pistas exatamente às nove e meia. E sábado era a noite do 'Don't you want me baby?' que é quando eles tocam músicas dos últimos 40 anos! Diz o papel 'Pop Indie Cheese Disco Retro Rock' e o nome das minhas bandas favoritas! White Stripes, Franz Ferdinand, Strokes, Killers, e coisas bacanas que não ouço com freqüência: U2, Blur, REM. E na frente, imagens do The Prince, Grease, Abba, Jackson Five. Toda a perfeição da música num só lugar. E eu tinha perdido, afinal, já estava perto de casa.
Juro que sábado que vem vou ao The Roxy. http://www.theroxy.co.uk/


Epígrafe de Márcia Alcântara:
"A vida é um momento, não existe outra vida, faça-a queimar sempre com a chama mais quente" Oscar Wilde em 'O Retrato de Dorian Gray' [por mera coincidência, comprei mais uma versão desse livro ontem. Combina absurdamente com o momento].

Música para o momento
Panic! At the Disco - Nine in the Afternoon
Abba - Voulez Vous
Grease - You're The One That I Want [wuu-huu-huu]

1 comentários:

Márcia Alcântara disse...

To sem ar, sem palavras...

Postar um comentário